MATERNIDADE NO SÉCULO XIX

“As normas estabalecidas no seu início são normas colectivas que definem uma função social, a de esposa e mãe, que regulamentam os direitos da mulher em função dos seus deveres, e que designam finalmente as mulheres como um grupo social cujo papel e comportamento devem ser uniformizados, portanto idealizados. Ora essa representação totalizante desfaz-se progressivamente e as identidades femininas parecem multiplicar-se: a mãe, a trabalhadora, a celibatária, a emancipada, etc., são qualidades próprias de uma ou outra mulher, vividas frequentemente de maneira contraditória, submetidas a tensões que anunciam a vida das mulheres do século XX”.

*

“Las normas establecidas en su inicio son normas colectivas que definen una función social, la de esposa y madre, que regulan los derechos de la mujer en función de sus deberes, y que designan finalmente a las mujeres como un grupo social cuyo papel y comportamiento deben ser uniformes, por lo tanto idealizados. Pero esta representación totalizante se deshace progresivamente y las identidades femeninas parecen multiplicarse: la madre, la trabajadora, la celibataria, la emancipada, etc., son cualidades propias de una u otra mujer, vividas a menudo de manera contradictoria, sometidas a tensiones que anuncian la vida de las mujeres del siglo XX.

Geneviève Fraisse e Michelle Perrot, Ordens e liberdades, em História das Mulheres no Ocidente, Vol. 4. Tradução: Caroline V Nogueira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.